Treinamento individual, até quando?

0
  Sem categoria



No pára-quedismo, o treinamento individual não é só técnica. Veja o que o campeão brasileiro de FQL tem a dizer sobre isso.

Treinamento individual é a busca constante do aprendizado e do desenvolvimento pessoal. É treinar as habilidades individuais de vôo, sob orientação de um bom coach, independentemente do nível técnico e dos objetivos no esporte.

No pára-quedismo, o treinamento individual não é só técnica. Veja o que o campeão brasileiro de FQL tem a dizer sobre isso.

Treinamento individual é a busca constante do aprendizado e do desenvolvimento pessoal. É treinar as habilidades individuais de vôo, sob orientação de um bom coach, independentemente do nível técnico e dos objetivos no esporte.

Vejo muitos atletas treinando, ao mesmo tempo em que vejo outros, que passaram por um programa de treinamento individual, montar um time de 4-way ou atingir um nível que permita saltos com razoável de controle, simplesmente parar de fazê-lo.

A suspensão do treinamento individual pode ser avaliada sob alguns aspectos:

Falta de recursos financeiros para treinar com um time e ainda fazer a manutenção do treinamento;

Falta de motivação por não se sentir mais desafiado;

Sensação de que se está voando bem e não precisar mais de treinamento individual.

Independentemente da ótica, acredito que as pessoas, mesmo inconscientemente, acabam parando de treinar porque acham que está bom. Até mesmo alguns atletas de ponta podem se comportar dessa maneira, mas isso pode ser um erro. Para quem deseja aprender e ser um bom pára-quedista, seja qual for a modalidade, o único caminho é o treinamento individual e a atualização técnica constantes, precedidos de segurança, ética e responsabilidade.

Muitos me perguntam até quando devem fazer treinamento individual. Geralmente, respondo que deve ser até quando a pessoa sentir que precisa, e também aconselho: “Treine para sempre”.





O pára-quedismo nos possibilita tanto o desenvolvimento técnico quanto dos sentidos. Entretanto, muito mais que isso, ele influencia os lados profissional e pessoal. Assim como em tudo na vida, quanto mais você pratica e se desenvolve, quanto mais você busca a excelência, mais você se supera, mais você é exigido, maiores são os desafios, de maior responsabilidade são as tarefas e maiores são os esforços e as renúncias. A cada vitória, porém, o crescimento e a satisfação pessoal são irrefutáveis.

Se existe a possibilidade de se alinhar desenvolvimento técnico com desenvolvimento pessoal e prazer, por que não fazer isso? Aprender com o pára-quedismo exige responsabilidade, mas é divertido e prazeroso, além de ser uma boa oportunidade para se refletir sobre o crescimento individual no esporte e na vida pessoal: Será que estou fazendo tudo o que posso para continuar crescendo ou estou acomodado?

Treinamento individual no pára-quedismo está acima da técnica. Treinar sob orientação de um profissional é crescimento, é filosofia, é comportamento, é desafio e mudança íntima. Enfrentar os próprios medos, lidar com a ansiedade, com a concentração em situações extremas e focar em atividades que requerem alto nível técnico não é para todo mundo, e o nosso esporte permite que exploremos cada um dos aspectos que mencionei de forma ampla e profunda.

As coisas estão mudando, o pára-quedismo nacional está crescendo e se desenvolvendo e cada um de nós, pára-quedista, deve contribuir para que ele cresça cada vez mais. Treinamento individual pode ser a sua parte nesse processo.

Você chegou aonde poderia?

Blue skies!

Texto: Fábio Diniz
Revista AirPress #145

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.