…a maioria das pessoas dizem que nós somos loucos.

Alguns dizem que nós temos um desejo da morte. Os psicólogos dizem que pessoas com inclinação a fazer atividades de riscos elevados são uma parte necessária da continuação de nossa espécie.

Somos pessoas com vários tipos de vida – programadores, designs, enfermeiros, dentistas, pesquisadores, comerciantes. – O que nós temos em comum é a afinidade por um esporte magnífico, o pára-quedismo. Alguns participam também em outros esportes como mergulho, escalada, alpinismo, esqui. E existe um espírito natural de ligação entre todos. Um sentido que só nós compreendemos, uma verdade maior, que não pode ser entendida pela maioria das pessoas.

O pára-quedismo é um verdadeiro remédio contra o stress da sociedade moderna. Quando mergulhamos no azul do céu, estamos focados naquele mergulho e em nada mais, isto nos mantém afastados de todas as distrações da vida. Nenhum pensamento mínimo nos dispersa ou nos preocupa. O foco intenso e a bomba da adrenalina realizam uma limpeza mental e física.


boituva
Encontro PQD-Brasil – Elementos cada vez mais bizarro!!!


A adrenalina ativa nossos sentidos. Nosso corpo responde às descargas da adrenalina com uma sensação de excitamento e o surgimento de uma intensa energia. Nossos corpos são feitos para produzir a adrenalina como um mecanismo de sobrevivência. Considerando isso podemos dizer que, a cada salto, nos sentimos mais vivos e com saúde renovada.

Pisar para fora da porta de um avião em vôo tem muitos outros benefícios. Nos faz mentalmente mais resistentes. Faz repensarmos tudo que nos foi ensinado sobre perigo desde que éramos crianças, revisarmos nossos pensamentos de maneira lógica toda vez que decidimos ir para fora do avião. Adquirimos uma consciência aumentada de tudo que está a nosso redor. Desenvolvemos um alto grau de alto confiança e respondemos rapidamente a todos os eventos que acontecem ao nosso redor. Além da incrível sensação de realização, conhecer e enfrentar nossos medos nos torna fortes em outros planos de nossa vida.

Quando eu fiz meu primeiro salto, estávamos em um grupo de amigos do trabalho. Eu organizei tudo. Todos fizeram seus saltos e vibraram muito, mas fui a única que fez mais de um salto. Mais tarde, conversando com os rapazes do grupo um deles disse-me: “- Quando eu pensar em tudo que já enfrentei na vida, vou lembrar desse dia em que eu fui além, saltei de pára-quedas. Se eu pude encontrar coragem para fazer isso, eu posso fazer qualquer coisa.” Foi demais!!!

Muitos nos perguntam como é a sensação? A sensação de mergulhar no vazio e realizar a queda-livre até a abertura do pára-quedas? A maioria dos saltos são realizados em média de 10.000 ft. à 14.000 ft., nos fornecendo cerca 30 segundos a 70 segundos de tempo de queda-livre. Coloque seu braço para fora da janela de um carro a 100Km/h, imagine agora seu corpo inteiro para fora do carro com uma velocidade duas vezes maior, então você começará a fazer idéia de como um pára-quedista de sente.

Nunca consegui explicar como é a sensação do pára-quedismo. A queda-livre é indescritível, podendo ser descrito como um sentido inimaginável de liberdade. Você está voando através do ar, capaz de mover seu corpo em todas as direções. Você pode voar para frente, para trás, realizar movimento lateralmente, pra cima, pra baixo. Sim, você está caindo continuamente. Mas durante esse tempo você está voando definitivamente seu corpo. Você pode fazer cambalhotas e torções. Você pode estar deitado, em pé ou de cabeça para baixo. Não há absolutamente nenhum limite a respeito de que sentido você pode mover seu corpo.


freefly
Regis e Mancuzi (foto: Ronaldo)


Enquanto voamos não existe um plano, um horizonte, não existe em cima ou em baixo. Conseguimos ver a incrível beleza do mundo, enquanto voamos fazemos parte do céu.

E finalmente quando abrimos nossos pára-quedas voamos como um planador. Cortamos o céu como desejamos. Pode ser voando calma e lentamente ou de forma rápida e selvagem. Mas seja de uma ou de outra maneira, no final pousamos em segurança de forma macia e agradável.

Por que o pára-quedismo? Somente que já esteve lá que compreenderá verdadeiramente a beleza e a liberdade? O céu é nosso playground.

PS: Este texto é uma tradução livre de um texto de Lori Steffen, atleta profissional de freestyle, vencedora de duas meldalhas de ouro no “USA National Skydiving Championships”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.